Nota Informativa aos Associados

Foi com enorme estranheza que recebemos a comunicação da Justiça indicando que a eleição para os Conselhos Deliberativo e Fiscal da Associação deveria ser transferida. De forma estranha, com informações mentirosas e imprecisas, oito associados (Lucia Inês Petribu Guerra, Maria do Carmo, Maurilio de Souza Luna, João Pedro, Flávio Avelar, Jadirson Saraiva, Joatas de Souza e Francisco Drumonnd) conseguiram enganar o Poder Judiciário, alegando a impossibilidade de participação no pleito por conta da pandemia. Esconderam a informação de que os votos poderiam ser encaminhados pelos Correios. Adiantaram que mais de 800 idosos iriam ser obrigados a se dirigir à nossa sede social para votar, o que iria ocasionar aglomeração. Na última eleição, pouco mais de 100 associados depositaram seus votos na urna localizada em nossa sede, quando não havia a pandemia do Coronavírus. Número bem inferior aos encaminhados por correspondência.

É um fato revoltante, pois entre os autores da ação judicial, estão três pessoas (Maurílio de Souza Luna, Maria do Carmo e Jadirson Saraiva) que participaram de uma reunião em nossa sede no dia 21 de dezembro passado, quando foram apresentados e discutidos os enormes gastos que a Associação vem tendo nos últimos anos, para defesa dos assistidos. Todos entenderam a grave situação e na ocasião, foi aprovada por unanimidade, a proposta para arrecadação de fundos para apoio ao esforço da ASFABE na luta contra os desmandos e arbitrariedades que vêm sendo praticados pelo Banco Santander, prejudicando seriamente os assistidos da Bandeprev. Também foi aprovada a realização de uma campanha para angariar novos associados como forma de melhorar a arrecadação mensal, tendo sido enfatizado que todos os assistidos da Bandeprev se beneficiam das vitórias da ASFABE na Justiça, as quais são obtidas com os recursos dos colegas associados.

Desde a instalação do processo eleitoral, a ASFABE teve despesas superiores a R$ 20 mil para atender a todas as determinações contidas no Regulamento Eleitoral estabelecido pela Comissão Eleitoral.

É extremamente lamentável que os próprios associados se utilizem de ações como essas para prejudicar as atividades de nossa Associação, causando enormes prejuízos financeiros em um momento muito grave por conta da pandemia do Coronavírus. Passamos muito tempo com a sede fechada, atendendo determinação das autoridades de Saúde e voltamos a funcionar de forma precária cumprindo todas as exigências.

Não concordamos com a decisão, mas como houve a determinação da Justiça, somos obrigados a cumprir e estamos cumprindo.

Reginaldo Dias – Presidente